terça-feira, 15 de dezembro de 2015

O que é LITERATURA?

Digo que os grandes artistas da humanidade, em matéria de arte literária, são aqueles que se fizeram entender. Como diria Olavo Bilac: “A graça na simplicidade.” Não existe esse negócio de escrever ou fazer verso do inconsciente: se fosse assim, qualquer um seria poeta ou escritor (muita gente anda pensando que é). Tudo vem da mente do homem (do seu conhecimento, da sua inteligência, da sua capacidade de criação). O que pode vir do inconsciente é a inspiração, como a criação é inexplicável. Uma das obras-primas da poesia é o “Soneto de fidelidade”, de Vinícius de Moraes, e é muito fácil entendê-lo. Tudo parte de uma ideia: é necessário apresentá-la, desenvolvê-la e dar um fechamento. Muita gente solta palavras ao vento achando que é poesia (deve haver conexão, substância e imagética). É bom lembrar: o que escrevemos se destina ao leitor. Há escritores que escrevem o que só serve para a ilusão de si mesmo (não sabem o quanto é terrível o leitor não interagir conosco).

Não se prova nada sem o exemplo. Vamos analisar um caso: pegue 100 (cem) poemas de um poeta qualquer, selecione 5 (cinco) supostamente bons e saiba dizer por que são bons, ou seja, o que o poema me diz que o faz um poema de qualidade (que argumentos usar?). Duvide de artistas que escrevem o que ninguém entende, pois, muitas vezes, eles não sabem o que escreveram. Escritor/poeta é aquele que sabe o que escreve.

A literatura concentra três cargas: ou ela ensina algo, ou conta uma história inesquecível, ou causa um maravilhoso encanto, nesse caso (como diria Mário Quintana: o texto nos lê). Isso é literatura, o resto não serve, é mera vaidade ou idiotice. Existem duas coisas fundamentais: 1. o escritor está qualificado; 2. o leitor está também preparado para conhecer o texto em suas múltiplas possibilidades (isso só a sabedoria pode permitir). O importante é o que o texto diz, mas também interagem conhecimento, técnica, criação e talento (esses dois últimos são inexplicáveis). E não se pode fugir de verdades gerais e operativas, é doloroso, mas é necessário e primordial caminhar no trilho da coerência.
          João Lover   15/12/2015.

sábado, 12 de dezembro de 2015

Pedaço da felicidade

Compasso do tempo implacável
Tudo passa... e o que vale?
Tudo que você me fale
e uma verdade impecável
não vão convencer-me.
Não vou arrepender-me
de tudo que é sentimento...

E vida é o momento:
esse pensamento antigo,
não importa o prejuízo
se a intenção é boa.
E o prazer é o sorriso
que está noutra pessoa.

E o melhor dos feitos
é o que fizemos juntos
que pode ser o assunto
proveniente do deleito
que afigura saudade
e sensação de viver:
um meio de se ter
pedaço da felicidade.
    João Lover

10/12/2015