quarta-feira, 7 de junho de 2017

Reflexão no tempo

Como estou no tempo?

Se me encontro em um fragmento, interstício, intervalo do tempo,
como digo, concluo que sou uma pessoa sem tempo?
Tenho de me lembrar de que o tempo não é meu!
Participo com ele, mas não o tenho.

Por que Deus me escolheu pra viver neste tempo?
Há tempo, ainda, de fazer...
Não posso esquecer-me de que não sei por quanto tempo.

O tempo é o poder, a uniformidade da velocidade,
o equilíbrio da dinâmica, a indiferença em paralelo à realidade.
Eu já disse: ele não atrasa, não adianta, nem espera.
Sem melodia, é uma só cadência e ritmo, um só compasso;
sua música é o silêncio. Não nos avisa de nada.

Assim nos ensina a se virar (resolver, inventar, saber, descobrir...).
Também ajuda a nos livrarmos de doloridas ilusões.
Temos de senti-lo para que saibamos
a importância de realizar algo de bom oriundo do sentimento do 
bem e de ensinar, com nossas ações, uma lição de valor.

Então, o feito e o ensinamento são as únicas coisas 
que se podem manter vivas no tempo: 
o que faz a nossa passagem talvez encontrar sentido.
Qual a nossa obra? Que arte nós fazemos? Servimos de exemplo???

João Lover
07/06/2017

sábado, 27 de maio de 2017

Poema do abraço

       
Abraço

No melhor dos espaços,
vibrante-quieto mexer,
e, sem nada a dizer,
tão gostoso é o amasso,
da vida doce pedaço,
sentir o coração bater...

Um aliviar aquecido,
uma energia, um suporte,
nosso chegar da sorte,
recuperação do perdido.

O renascer num instante,
fortificar a esperança,
sentir-se bem importante
e sorrir que nem criança.

Livre-laço sem preconceito,
uma Paz que se oferece,
o que vale e prevalece,
e que fazemos perfeito.
             
João Lover
22/05/2017

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Jornal Nacional, de 29/03/2017: AMBIGUIDADE na manchete proferida por Bonner

Observemos a manchete: "Reino Unido dá início oficial ao processo de saída da União Europeia"

É gritante a AMBIGUIDADE acima: A União Europeia vai sair de onde ou de quê??? Quem vai sair é o Reino Unido.

O Jornal Nacional é o noticiário brasileiro de maior audiênccia (audiência internacional), precisa ter cuidado com as manchetes, que devem estar harmônicas com o padrão culto da língua e com a coerência do discurso.

Fica uma uma sugestão de manchete: O REINO UNIDO DÁ INÍCIO AO PROCESSO PELO QUAL OFICIALIZA QUE VAI SAIR DA UNIÃO EUROPEIA.

Outra sugestão: COM A ABERTURA DE PROCESSO, OFICIALMENTE, O REINO UNIDO INDICA QUE VAI SAIR DA UNIÃO EUROPEIA.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Neymar, poesia e poema

O Jogador encantado

Habilidade e ousadia:
que alegria de futebol!
No gramado da esperança,
com a Paz de uma criança,
Guerreiro feito de sol.

Nos seus passes, a certeza;
nos seus dribles, a beleza;
com seus gols, a vibração;
e a torcida é a canção
já movida pela mágica.

Ele concentra a sistemática
dos supremos vencedores,
dos maiores professores,
dos que trazem a lição.

Sabedoria e coração,
Arte que nos faz sonhar,
a emoção que vitaliza,
o que o Gênio simboliza,
o seu nome é Neymar.

João Lover
                09/03/2017

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Renata Vasconcellos: o “engasgo” – sobre ALZHEIMER – Jornal Nacional, 10/02/2017

Admiro a jornalista Renata Vasconcellos pela segurança e pela dicção perfeita. Sem dúvida, é extrema a sua competência, sobra em qualidade, por isso é âncora do jornal de maior audiência do país: o JN, da Globo.

E você me pergunta: e o “engasgo”? Aonde quero chegar? Quero chegar ao RITMO e a EUFONIA do discurso (ou da fala). O fato: a jornalista iniciou a manchete: “O teste que diagnost... Epa!...” Depois, consegue (imediatamente) concluir: “O TESTE QUE DIAGNOSTICA O ALZHEIMER EM MEIA HORA”

É claro que esse lapso de apresentação NÃO foi culpa de Renata! Vamos condenar severamente quem escreveu a manchete. Acredito que ela tomou um susto, ou seja, como alguém pode fazer uma redação tão TRAVADA (desagradável para qualquer ouvido).

Ritmo e eufonia são ganhos de tempo e massagem pros ouvidos. Valem algumas explicações entoacionais, fonológicas e melódicas: 1. Colisões de /tt/ e de /mm/ já são dois defeitos; 2. Vamos aos freios (/k/ /g/, /n ɔ s/, /k/ /y/ e /rr/). Lembremos a manchete, vou destacar os grafemas: “O teste que diagnostica o alzheimer em meia hora”. Não há suportador de trava-línguas que resista. Além disso, observamos a prosopopeia desnecessária: teste não diagnostica nada, apenas, depois do teste, é apresentado o resultado que chamam diagnóstico.

Essa manchete é realmente um absurdo. E Renata Vasconcellos é simplesmente demais.

Para o redator/editor, seja lá quem for, estou com raiva dele, deixo uma sugestão de manchete, ou melhor, de cortada: O diagnóstico do alzheimer em meia hora.

                                      João Lover

sábado, 24 de setembro de 2016

Conto do livro Tambores da Terra Vermelha, de Antônio Saracura: A traíra grande

Saracura, Antônio FJ, A traíra grande (conto) – Tambores da Terra Vermelha, 1ª ed., Aracaju: Infographics, 2013.
Resenhado por João Lover, poeta

Uma das alegrias do leitor é se deparar com literatura que emociona. Ao ler este conto, senti cachoeiras nos olhos. Chamo o texto de prosa-poema. Encontramos descrições minuciosas do ambiente e das personagens, ritmo contagiante, leitura prazerosa e muito mais, como veremos a seguir. Numa visão por fora (narrado em 3ª pessoa), Saracura nos envolve, transporta-nos ao cenário, e sentimos no escrito os elementos da literariedade, simplesmente, arte. O escritor nos mostra, com sua habilidade e seu poder criativo, como se constrói um drama e se chega a um desfecho espetacular. Vamos verificar uma parte dessa magnífica narrativa. Ao final, comento o que pude observar buscando traduzi-lo tecnicamente, mas existem inúmeras possibilidades de interpretação... Uma coisa é certa: A traíra grande nos encanta:
                [...]
Quando as águas abaixavam, a lagoa encolhia e se restringia apenas ao sítio Saracura, por ser uma depressão geográfica acentuada.
As grandes traíras, os brilhantes jundiás e os encouraçados caborjes, todos estavam agora, no nosso lado da lagoa. Os outros lados já haviam secado há dias. A colheita estava sendo no sítio Saracura, mas os peixes haviam sido criados também nos demais [...].
Manoel,1 filho de Fausto de Seulia, era um caboclinho miúdo, feio que dava dó. Burlou a vigilância do pai, inimigo de papai a vida toda, e veio para o lado de cá. Era muito estranho ele estar ali naquele momento!
Para ter benzido as cercas (eram duas cercas paralelas e juntas, uma feita por Fausto e outra por papai, em pirraça mútua) [...]
E ele, Manoel, dentro da sua insignificância, assistia incógnito à azáfama dos pescadores2 — meus primos brancos — trazendo peixes pelas guelras e colocando-os em sacos e latas vazias de querosene Jacaré, na beirada da lagoa. [...] Peixes eram zunidos da água e caíam na cama de junco seco, de onde alguém os recolhia e os guardava nas latas e nos sacos.
Manoel estava à margem, na beirada da água, assistindo a tudo, como hipnotizado. Ele queria uma traíra daquelas... Não por que achasse que tinha direito, mas porque gostaria de mostrá-la à mãe, dizendo que a pescara. Sentia, entretanto, que a lagoa era funda demais para ele. Poderia afogar-se. E permaneceu ali, ignorado por todos, vendo os pescadores encherem as vasilhas de peixes.2 [...]
Uma traíra, certamente a maior traíra da lagoa, de beiço virado, lombo preto de crocodilo, acossada talvez pelo entra e sai dos pescadores, voou para fora da água3, ficando a se debater no junco seco, aos pés de Manoel. Surpreso, ele abriu a boca, sorriu, pisou com jeito no lombo grosso e abaixou-se. [...] Segurou-a firmemente pelas guelras e a levantou com suas mãozinhas, como se empunhando um troféu. Sentia-se premiado! Levaria para sua mãe, que certamente faria um pirão3 [...]. uma sombra densa cresceu atrás dele. Era Tino, o filho mais velho de tia Iaiazinha, que ajuntava os peixes que eram zunidos da água, querendo a traíra:
— Essa vai para a lata de Tio Zé! É a maior da lagoa. O dono do sítio tem todo o direito!4
Manoel viu que perderia [...]. E começou a choramingar. O dono do sitio e da lagoa deveria realmente ter direitos especiais. Sentiu que não poderia evitar que Tino, um homem feito, sobrinho do dono da lagoa, lhe tomasse o peixe.
Então chorou alto, gritando que o peixe era seu, pois pulara aos seus pés e fora ele quem o pegara. Tino esticou o braço para tomar o peixe. E Manoel, mesmo o querendo muito para si, levantou suas mãozinhas para entregá-lo.5 Papai, que estava perto e ouviu tudo, aproximou-se, demonstrando espanto:
— Quem pegou esse peixe tão grande?
E pousando a mão no ombrinho de Manoel, perguntou outra vez:
— Foi você, meu filho?6
Tino tentava explicar que o peixe pulara da água, tangido talvez por algum dos pescadores. O moleque apenas se antecipara no seu trabalho de resgatá-lo.
Papai mandou Tino se calar e olhou para o pequeno Manoel, que continuava choramingando, ainda segurando (mas quase soltando) o grande peixe, e disse:
— O peixe é seu, Manoel. [...] Pode levar para casa e dizer a sua mãe que foi você quem pegou.7
Manoel olhou agradecido para papai e saiu correndo, com os passinhos miúdos, prejudicados por ter as mãos ocupadas, fazendo o mesmo caminho da vinda [...]
Sessenta anos depois, eu ia [...] pelo mercado Thales Ferraz, em Aracaju [...] E, passando pela grade de farinha de Manoel de Fausto, hoje um homem idoso como eu, vi-o cochilando sobre a sacaria, escornado, roncando. [...]
Nunca tive muita ligação com os filhos de Fausto de Seulia (o inimigo de meu pai no povoado), mas Manoel sempre me tratou bem, sempre retribuiu minha frieza com uma incoerente alegria.
Fiquei olhando-o um tempo, assim dormindo. [...] Joguei-lhe, compassadamente, de seus próprios sacos, caroços de milho, que o atingiram no peito desnudo, ricocheteando e escorregando para o seu colo. Daí a pouco, ele acordou e, ao me ver ali parado, abriu um largo sorriso.8 Levantou-se do leito improvisado e veio apertar minha mão, que nem lhe havia estendido ainda.
Resolvi, então, fazer-lhe a pergunta que, secretamente, carreguei sempre comigo:
— Manoel, por que você demonstra tanta alegria quando me encontra? Eu mereço? Agora mesmo, em vez de um esbregue, recebo um cumprimento afetuoso! [...] E acrescentou:
— Nunca esqueci o gesto de seu pai naquele dia, ou melhor, tenho seu pai e os Saracuras no meu coração. Nada marcou tanto a minha vida como aquela traíra, que é o peixe que mais gosto.9 No coco me dá mais prazer do que quebrar caranguejo na Atalaia ou chupar picolé de mangaba da Cinelândia...
E continuou:
— Sempre tive vontade de contar a um de vocês essa história, mas nunca me deram oportunidade. Foi a primeira vez que um Saracura jogou-me carocinhos de milho...10
Os outros vendedores de cereais do grande mercado olhavam intrigados aqueles dois sexagenários abraçados ao pé de uma fileira de sacos de cereais.11, 12

Então, vejamos alguns ingredientes do tempero da literatura:

1.      Filho do inimigo: uma criança.
2.      Alegria de todos, indiferença em relação ao menino intruso.
3.      A solidão do menino, a coragem e a vontade de participar. E surge o objeto cobiçado. Nesse instante, o leitor já se identifica com o menino, está solidário a ele, junto com ele, defende-o, o garoto é o nosso herói lutando com esperança, mesmo com todas as desvantagens, desejando presentear a mãe querida e mostrando as características de pura inocência (tônica da construção desse personagem).
4.      Arma-se a tensão: momento decisivo – clímax –, um peixe raríssimo, certamente, seria assunto de muitas conversas ao longo de anos.
5.      A lei do mais forte se impondo à fragilidade do menino.
6.      Um velho, líder, adulto trata o menino respeitosamente, mostra sensibilidade...
7.      O prêmio inesperado – a alegria do garoto...
8.      Depois de bastante tempo, o reencontro e a conversa (antes, não houve oportunidade).
9.      A traíra virou a iguaria preferida desde aquela época.
10.  A esperança se realizou.
11.  Emoção, abraço, vida!
12.  A história nos diz o quanto é importante fazer uma criança sorrir.
Obrigado! Saracura!